Menu principal
 

A produção de resíduos é inerente à condição humana e inexorável. Enquanto a natureza se mostra eficiente em reaproveitamento e reciclagem, os homens o são em produção de lixo.

Não há como não produzir lixo, mas podemos diminuir essa produção. Como? Reduzindo o desperdício, reutilizando sempre que possível e separando os materiais recicláveis para a coleta seletiva. Tem coisas que não fazemos por não sabermos como.

O lixo é formado por resíduos sólidos não biodegradáveis e que demoram para se decompor. Restos de alimentos, folhas e frutas são chamados lixo orgânico. Existem também, além do lixo domiciliar, o lixo industrial, o de vias públicas e o hospitalar, que necessitam de tratamentos especiais, pois oferece perigo à saúde das pessoas.

As origens do lixo urbano são as mais distintas, e ele é classificado em:

  • Domiciliar: alimentos, papéis, plásticos, vidros, papelão, produtos deteriorados, etc.
  • Industrial: cinzas, lodos, metais, cerâmicas, madeira, borracha, resíduos alcalinos, etc.
  • Hospitalar: embalagens, seringas, agulhas, curativos, gazes, ataduras, peças atômicas.
  • Lixo tecnológico: computadores, pilhas e aparelhos eletrônicos em geral.

A coleta do lixo deve ocorrer de acordo com a sua classificação, pois os tratamentos finais desses resíduos são diferentes. A reciclagem do lixo assume um papel fundamental na preservação do meio ambiente, pois além de diminuir a extração de recursos naturais ela também diminui o acúmulo de resíduos nas áreas urbanas. Os benefícios obtidos são enormes para a sociedade, para a economia do país e para a natureza.

Embora não seja possível aproveitar todas as embalagens, a tendência é que tal possibilidade se concretize no futuro. A ideia é construirmos um mundo melhor, certo? Cremos que um futuro melhor seja o resultado de um presente mais responsável. Individualmente responsável!

A toda comunidade do IFC Araquari:

Queremos lembrar da campanha que está no IFC Campus Araquari. Separação do lixo seco e lixo úmido.